sábado, 5 de maio de 2012

Como a lágrima que corria, e só.
Como os lábios doces que beijou,
E esqueceu de amar.
Como o caminho que passava,
Todos os dias, até se perder.
Como o vento frio que corta.
Tão frio, que é quase imperceptível.
Como o fio de cabelo,
Que de tão fraco, desapareceu.
Como a voz, que de estridente à rouca,
Passava sem ser percebida.
Sem nunca ser percebida.
Como a lágrima que corria,
E só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário