quinta-feira, 1 de março de 2012

Hoje mudei de ares, não muito por opção, mas acabei descobrindo um lugar até melhor pra estar. Mais arejado, mais vazio. Bom, completamnete vazio. Sentei no chão, parei uns minutos e percebi que a cena parecia depressiva demais pra quem visse, se houvesse alguém ali, e não é do meu feitio transparecer certas coisas. Levantei do chão e sentei num muro baixo perto de mim. O dia corria normalmente, até que eu decidi parar de passar pelas coisas, e quis olhar, observar, pra variar um pouco. Tudo parecia tão diferente do que eu "via" sempre. O sol brilhava forte, amarelo, mas não era aquele sol ardido, era calmo, aconchegante. A grama doía nos olhos de tão verde, parecia pintada à mão. O irrigador ligado, parecia jogar gotas de brilhantes na grama, fazendo doer ainda mais as vistas de tanta cor, tanto brilho, tanto contraste. As árvores balançavam com a brisa suave que passava por entre as folhas fazendo um barulho bom de ouvir. Quando vi naquilo tudo um quadro perfeito, ainda faltava o gran finale. Um vento mais forte passou por entre as árvores arrancando delas folhas amarelas e quase secas, que já estavam por cair, uma hora ou outra. Não lembro de ter visto cena mais simples e bonita nos últimos tempos. Só que a música que tocava ainda era triste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário