sábado, 10 de março de 2012

É como um labirinto.
Uma teia de aranha.
Um emaranhado de fios,
Sem fim.

Um poço sem fundo.
Um túnel sem luz,
Sem saída.

Tudo se perdeu
No momento em que começou.
E agora só resta esperar que acabe.
Não importa o que vá acabar.
Agora não interessa mais.
Desde que tenha fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário