quinta-feira, 17 de março de 2011

Um quase 'Abril'

Caiu a noite tão depressa. E eu ali parado esperando a música parar. Era uma noite dessas, e eu pensando porque eu fui te encontrar. Flores atiradas na calçada, um adeus tão frio e mais nada, seja como for. Se hoje eu não te tenho mais, ter tudo não me satisfaz. E se eu não fui bom nisso, se eu não soube te fazer feliz, você foi um vício, levou a minha paz. E no final da festa, teu olho verde não mentia mais. E o que me resta, é ir embora, é ir embora [é ir embora sem olhar para trás]. Uma história muito mal contada, página virada. Aonde foi que eu encontrei você? [...] Levou a minha paz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário