sábado, 26 de fevereiro de 2011

Eu prefiro o silêncio

À ter que escutar algo que não acredito, que não faz sentido pra mim. Não gosto de ver você falando sobre algo que sempre me soa como uma desculpa, uma forma de agradar, não é essa imagem que gosto de ter de você. Não me sinto bem com isso, eu já me acostumei a ser assim, e eu prefiro acreditar que você me enxerga como eu me vejo no espelho, do que de uma forma diferente, mais aceitável.





Me deixa acreditar no que eu vejo, e só.




.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Estou tão cheia

Tão cheia disso tudo, dessa jornada quase inútil, dessas pessoas que eu convivo ou convivo. Dessa falta de tempo, mesmo sem ter nada pra fazer. Desse inferno astral e climático, de ter que sorrir, comprimentar, sorrir. Eu não estou bem, nem um pouco. Sei muito bem que poderia estar aproveitando isso tudo, e sei também que fui eu quem quis estar lá, mas não queria que fosse assim. Não pensei que fosse ser assim.



domingo, 20 de fevereiro de 2011

Um lágrima quente

Eu até entendo. Mas não posso concordar. Não sei o que fazer daqui pra frente, não sei mais se pra viver eu realmente preciso respirar, ou se só preciso de você aqui. Tenho medo de parar minha vida, por não ter rumo, ânimo, força, mas sei que tenho a obrigação de continuar.  Tenho a obrigação, mas não tenho condição. Não existe mais racionalidade. Não posso jogar o futuro em suas mãos, tudo já ficou muito por sua conta. Mas eu não posso fazer nada. Ou melhor, posso, mas não devo.





Eu não sei como vou sobreviver.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Te devoro

Meu Pequeno Príncipe

Minha pequena criança, deixa-me envolver em seus sonhos mais absurdos, em seus amores mais ocultos. Deixa-me te fazer algo que lhe agrade, que lhe faça feliz. Deixa-me deitar-te em meu colo, e curar teu pranto. Deixa-me sorrir de forma boba, por ter tido você. Deixa-me te explicar todas as belezas desse mundo. Deixa-me te protejer de todo o mal que pode te atingir. Deixa-me tentar te entender, e nunca conseguir por completo. Deixa-me sem saber de ondes vem, só sabendo para ondes vai, e com quem vai. Deixa-me curar tua melancolia. Deixa-me ver um pôr do sol contigo, mas só por felicidade. Deixa-me fazer parte do teu planeta, do teu mundinho. Deixa-me saber que tu não és único, mas tu és meu. Deixa-me cativar-te, pois me deixo cativar por ti, pra ser sempre tua.








Meu amor. Meu Pequeno Príncipe.




.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Nunca fui muito fiel

Ok, nunca é exagero. Quase nunca, melhor assim. Nunca fui o tipo de amiga de colocaria a mão no fogo por ninguém, e aconselharia a você nunca colocar a mão no fogo por mim. O tempo, a experiência, me ensinou a ser egoísta, a me colocar em primeiro plano, e só valorizar o sentimento dos outros se isso não implicasse na minha vida. O tempo me ensinou, que pra sair por cima, você tem que ser frio, calculista, e principalmente, racional. Eu aprendi que se deixar levar por demonstrações de sentimento, pode ser sua sentença de dor. Claro, que às vezes, é difícil ver uma pessoa que a gente gosta, mal por uma atitude [ou a falta dela] sua, mas pense bem, você não vai se sentir tão mal assim vendo a pessoa sofrer. Muitas vezes, você deixa de fazer uma coisa que vai machucar quem você ama, mas essa pessoa pode não pensar assim, e naquele momento pode estar te apunhalando pelas costas. Realmente, eu nunca fui muito fiel, nunca fui muito cúmplice. Mas aí vem o amor e faz seus ideais e suas teorias caírem por terra.



domingo, 6 de fevereiro de 2011

Não suporto isso

Não suporto te ver mal, desiludido, sem esperanças. Mais uma vez tenho raiva de quem te fez isso. De quem te encheu de felicidade, e com um sopro acabou com isso tudo. Mais uma vez tenho raiva dessas confusões, dessa atitude "em cima do muro". E mais do que nunca, eu tenho raiva de não poder fazer nada. De te "ver" assim e não poder te ajudar, de qualquer forma, mas ajudar. Eu encho o saco, pego no pé, falo demais, mas é só pra te ver melhor. E eu juro, que se pudesse, pegaria o primeiro ônibus que fosse 'praí', pra te mostrar que sim, eu me importo com você, muito. E me importo porque gosto, muito. Não fica assim, eu sempre vou estar aqui.






sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Novo dia, nova vida.

Tudo novo, de novo. Nova escola, novas pessoas pra conviver, ou aprender a conviver. Mais desafios, mas ao mesmo tempo, tanta coisa nova que eu estou louca pra aprender, tanta gente nova e mais experiente que tem muita coisa pra me passar. Eu vou fazer tudo que estiver ao meu alcance pra que tudo seja o mais agradável possível, pra todos. Bom, tudo mudou, só não mudaram os meus planos, que realmente começam a sair do papel esse ano.






"Se o sonho é seu, ninguém pode fazer você desistir dele. Se você desistir, é porque não era seu sonho."




.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Sem chão

Sem rumo, sem destino. Eu vou vagar por aí até você trazer sua luz de volta, até trazer minha felicidade, minha vontade de viver, minha vontade de seguir. Mas até lá, eu vou um só um pedaço, um nada, que não vai fazer nada além de pensar em você, reviver os momentos, planejar os próximos passos. E apesar de cada vez estar mais entregue, eu ainda cometo erros. Erros idiotas, mas que machucam, os dois. Erros que me fazem ver o quanto você é bom demais pra mim, e que eu nunca vou te merecer. Erros que não quero nunca mais cometer.