terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Verão, eu te odeio

Mesmo sabendo que se eu estivesse em casa, eu não o veria, a idéia de que estamos em estados diferentes, me deixa atordoada, infeliz, com mais saudade que o normal, com mais vontade que o normal, mais solitária que o normal. Mesmo sabendo que nem vai demorar tanto assim pro nosso próximo e decisivo encontro, eu sei que o sol e as companhias não vão me ajudar a ver o tempo passar mais rápido. Uma viagem que sempre foi tão animada, cheia de pessoas diferentes, interessantes, passa a ser a mais sem graça e sem vida viagem de todas. Ninguém tem nada de bom pra mim, nada que me chame atenção, nada que me faça esquecer essa saudade que machuca tanto. Por que só quem tem esse poder de curar minha saudade, quem roubou a graça e o charme do mundo, está nesse momento à 1.137 km de distâcia, que mais parecem um mundo inteiro.











Meu amor, não vejo a hora de estar nos seus braços.

Nenhum comentário:

Postar um comentário