quarta-feira, 3 de novembro de 2010

E resumindo foi assim...

Meu coração quase parou, de tão rápido que ela vinha batendo nas últimas horas. Nada tirava minha atenção daquela estrada, que de tantos ônibus, nenhum era o seu. Mas, quando eu achei que já não tinha nem mais forças pra levantar, de tanto nervosismo, lá vem ele. E a porta abre, e não é você quem desce. Só depois de uns segundos (que pra mim foram horas) é que eu vejo você. Nada paga a imagem de te ver, com um sorriso no rosto, descendo daquele ônibus e vindo na minha direção.

Seu beijo? Inexplicável. Eu não conseguia me soltar de você. Pela primeira vez na vida eu me senti segura, amada, desejada. Cada segundo com você, apagou cada momento ruim da minha vida, em que eu desejei não viver mais.


Mas, o dia chegou. E eu já acordei com vontade de te acordar correndo, colocar umas roupas na sua mala e ir embora. Pra longe, muito longe. Qualquer lugar que não pudessem nos dizer a hora da despedida, a hora de voltar a vida. E apesar de não querer, eu não tive outra escolha, e tive que deixar você ir, pra longe de mim.
Te ver subindo naquele ônibus, foi a pior dor que já senti na vida. Parecia imagem de novela: A mocinha apaixonada, chorando rios ao ver seu amado partindo, pra voltar sabe-se lá quando.
Por alguns minutos, eu senti que uma janela de vidro me fazia sofrer muito mais do que 375 km de distância. E eu nunca desejei tanto mal pra alguém, como desejei pro motorista daquele ônibus. Eu poderia ver o mundo explodir, desde que meu amor ficasse aqui, um pouco mais, pra me dizer que tudo não passou de um pesadelo e que já tinha acabado. Mas não. O ônibus partiu, e eu vi sua imagem ficar distante, uma distância que eu não sabia se poderia aguentar, de novo. Mas foi perfeito, foi muito mais do que eu esperava e imaginava.




E agora eu estou em queda livre, de um abismo sem fim. E só você pode me salvar, sabe-se lá quando, mas eu vou estar aqui, caindo em sua direção. Mas, não se preocupe, cuide do nosso futuro, que eu cuido de não cair em outro lugar, que não seja seu colo.





Eu te amo, com todas as minhas forças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário