terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Verão, eu te odeio

Mesmo sabendo que se eu estivesse em casa, eu não o veria, a idéia de que estamos em estados diferentes, me deixa atordoada, infeliz, com mais saudade que o normal, com mais vontade que o normal, mais solitária que o normal. Mesmo sabendo que nem vai demorar tanto assim pro nosso próximo e decisivo encontro, eu sei que o sol e as companhias não vão me ajudar a ver o tempo passar mais rápido. Uma viagem que sempre foi tão animada, cheia de pessoas diferentes, interessantes, passa a ser a mais sem graça e sem vida viagem de todas. Ninguém tem nada de bom pra mim, nada que me chame atenção, nada que me faça esquecer essa saudade que machuca tanto. Por que só quem tem esse poder de curar minha saudade, quem roubou a graça e o charme do mundo, está nesse momento à 1.137 km de distâcia, que mais parecem um mundo inteiro.











Meu amor, não vejo a hora de estar nos seus braços.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Eu sempre aprendi,

a não perder a calma, não perder a razão, não perder o juízo... Mas por você eu perco, me perdi, e quero me perder, ao seu lado.


Essa maldita saudade vai me deixar louca, os dias são tão angustiantes, as horas não passam. Na minha cabeça só passam e repassam as cenas de nós dois, as oportunidades que perdi, mas só de estar com você, eu estava bem. Meus planos, minhas metas, meus desejos, nossos desejos, que eu decoro, só pra te fazer feliz. O futuro nunca pareceu tão perto, e tão real.



"Meu mundo você é quem faz."



domingo, 19 de dezembro de 2010

Eu percebi,

que eu vou sim sentir falta de muita coisa. Agora eu vejo que o tempo que eu perdi chorando por ter mudado de escola, e deixado amigos que eu convivi desde a 1ª série, poderia ter sido muito bem aproveitado. Eu perdi tempo com muita gente que eu não queria estar. Eu percebi que por mais chata e cansativa que a escola fosse, eu sempre gostei de estar lá. As risadas fora de hora, as brincadeiras que resultavam em ocorrências e advertências. A correria de pegar cadernos emprestados pra fazer o dever do próximo horário. As hilárias palavras sem sentido algum, que juntas formavam um texto imenso, que a Magda sempre achava que era a matéria. As músicas, os apelidos, as birrinhas, as fuginhas da aula do Sinval, as mandalas da Cida, o famoso "Vamos fazer só algumas atividades, do 1 ao 13, 156 no livro cinza, 243 no livro verde", Terezão e as histórias do seu fusquinha a 20km/h, as lições de moral e as musiquinhas relaxantes [e muito chatas] da Fessorinha, o Éder e suas piadinhas infames e machistas, e o inesquecível "Que turma é essa?" *em coro* "144". É, nós somos a 144, somos e sempre seremos.A queridinha da escola, o exemplo de conduta, a famosa sala dos CDF's, que não tinha nada de CDF, era só um bando de adolescentes que sabia enrolar os professores. Eu percebi, que o ódio que eu senti ao vir pra essa turma, acabou virando uma amizade imensa e intensa, que só quem já teve que aprender a conviver e gostar, sabe do que estou falando. Eu percebi que valeu a pena cada minuto com vocês.




"Ôs idiota", nunca vou esquecer de vocês.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Vocês...

Tem tornado tudo muito mais fácil. Começamos pelo final, mas nosso final ainda vai durar muito.




Eu amo vocês suas Crianças Insanas, e nada vai nos separar!
Ao infinito e além!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Todo o sentimento

[...]

"Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente...
Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.
Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado
ao lado teu."


sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Mudança de Link

Algumas pessoas que visitam o blog, podem ter estranhado a mudança do link. O fato é, que algumas pessoas que não deviam visitar meu blog, estavam visitando, e a mudança de link vai ser suficiente pra afastá-las. O blog continua sendo o Calada, não mais!, nada vai mudar a não ser o URL.
Continuem visitando.



(:

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Sabe de uma coisa?

Não aguento esse silêncio sem motivo. Nunca aguentei! Sempre tive vontade de te botar na parede, de te colocar numa situação em que você fosse obrigado a me dar explicações. E eu nunca pensei que fosse tão fácil, tão prazeroso. Eu já tinha até me esquecido do seu sotaque, das suas palavras difíceis, da voz baixinha e calma. Eu tinha me esquecido do quanto você é divertido quando quer, e tão sério quando precisa. E eu tinha me esquecido, que não apagaram de vez tudo que houve, e que eu tinha tudo salvo, além de na minha memória. Mas, eu nunca esqueci a falta que você me fez.



Enfim, bem vindo de volta, se quiser.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Hoje?

É, é meu aniversário sim, obrigada por perguntar. E eu gosto de aniversários, gosto de estar com as pessoas que eu quero, que eu amo. Esse ano isso não vai ser muito possível, mas enfim. Das pessoas que te dão parabéns, 80% só fez isso porque viu no orkut, ou alguém avisou. E nós, os aniversariantes, sabemos diferenciar isso, sabemos quem está sendo sincero e quem não está. Mas de qualquer forma, mesmo que não seja tão sincero, ou de coração, eu aceito todos os votos de felicidades, aceito os votos de que todos os meus sonhos se realizem, aceito o "tudo de bom" que me desejam, afinal de contas, felicidade nunca é demais.

[criatividade mode off]



"Bate aê malono, e meus parabéns"

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Que bom se eu fosse uma diva...

A razão

tenta me puxar pro mundo real, me chamando pra viver, pra ver coisa nova, pra viver coisa nova. Pra sair, me divertir, socializar em geral. A razão me diz que eu não era tão branca assim, e que esse bronzeado, é de horas na frente de um computador, sendo iluminada pela luz artificial da lâmpada. A razão me diz que antigamente, nas segundas-feiras, meu assunto era só sobre as festas e saídas do fim de semana. Antigamente, festa era o que não me faltava pra ir. E hoje também é assim. Só que eu não quero. A razão não consegue me tirar do virtual, do perfeito, onde eu não tenho que tirar o pijama pra estar num grupo de amigos, na mais animada "festa". Incomoda não ter o mesmo papo de quem esteve na festa badalada, ou na saída fodona, mas é melhor ficar de fora, do que ter ido, e passado pela mesmo coisa que eu já passei outras vezes, de ficar sentado, olhando pro povo se divertir, e eu morrendo de vontade de ir embora. Só que o virtual não serve, não completa, não te torna feliz em todos os aspectos. Um dia você vai sim, querer sair de casa, pegar um ônibus, e ir encontrar com aquele grupo de amigos, que você podia conversar até de pijama. Um dia você vai querer estar com eles, e vai querer gritar com eles, brigar com eles, bater neles, ou simplesmente olhar pra eles. Um dia, você sente que o mundo real a sua volta, não te interessa, não te completa, e você percebe que só está bem, com poucas pessoas desse seu mundo. E mesmo assim, te faltam outras...


Enfim, eu precisava desabafar, e dizer à todos aqueles do Chat do System of a Down, [que merecem ler isso] que eu realmente queria MUITO que eles fizessem parte da minha realidade, do meu mundo.


segunda-feira, 29 de novembro de 2010

PUTA QUE O PARIIU!

#SOADISBACK PORRA!!!!!!!!!!!


Pirei, sem mais.

sábado, 27 de novembro de 2010

Não é mais você

Os dias tem passado tão rápido que eu nem pude ver.
Eu andei mudando, talvez você tenha percebido,
Que não é mais nos seus braços que me sinto segura.
Hoje eu quero tanto seguir minha vida,
Fazer minhas escolhas sem ser repreendida.
E se eu errar, que seja porque fiz do meu jeito,
E não do seu...
Hoje quero colocar as asinhas de fora
Não ficar com remorso ao ir embora,
E deixar um caminho que não era meu.
Era seu, o tempo todo foi seu.
Eu quero ter meus segredos, meus anseios,
Minhas aventuras e desventuras.
Eu quero poder ir às alturas,
E chorar em outros braços a minha queda.
Hoje eu percebi que mais cedo ou mais tarde seria assim.
E já que eu tenho essa fama de ser ruim,
Deixe que eu mesma vou me afastar.



quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Apagaram.

Apagaram o que ainda tinha que me lembrava quem era você. Apagaram de vez as últimas provas de que você mudou, e não mudou pra melhor. Apagaram minha compania de noites sem internet. Noites de risadas, de lágrimas nos olhos, com direito a toda emoção e sinceridade do mundo. Noites que me deixava tão feliz, por ver o quanto nos damos bem, e ao mesmo tempo me deixava triste, por saber que é passado, e que agora não existe mais essa afinidade. Apagaram uma rápida passagem na minha vida, mas que foi tão importante, e que eu tenho tanta saudade. Apagaram, e eu nem devia estar tão abalada assim, já que muito antes, você já tinha me apagado da sua vida.




quarta-feira, 24 de novembro de 2010

"[...]

Marina, até ontem só menina
hoje é ave de rapina,
criou asas quer voar...
voar além
da imensidão
voar além
do coração
de quem quer te proteger...

Viu que aumentei uma estrofe? faz parte da passagem de tempo... Bjs TE AMO! MUITO!"




Mais uma prova de que minha mãe é completamente louca.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

E o corpo inteiro,

feito um furacão. Boca, nuca, mão, e a tua mente não! ♫




Crise.

Sabe quanto tempo eu fiquei sem ter essa sensação horrível? Quase 4 meses. MERDA! Isso é horrível! E eu fico com muito medo do que posso fazer, se ela não passar, ou se voltar logo. Eu nem gosto de lembrar de todas as besteiras que já fiz sob o efeito de uma dor idiota vinda sei lá de onde, e alguns remédios. Mas enfim, acho que sei o que pode ter causado isso, e sinto tanta raiva que quase me dá vontade de chorar. Não se faz isso com alguém por motivo algum, nem muito menos por infantilidade e medo de encarar os fatos.






                                 IDIOTA!


quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Hoje,

a pessoa mais especial desse mundo, pra mim, faz aniversário. E eu não posso lhe dar um beijo, um abraço, nem sequer um aperto de mão. E isso me dói, dói muito. Eu não consigo entender como as pessoas acreditam num deus perfeito, que faz as coisas certas, no momento certo, se a pessoa que eu mais amo, não está aqui comigo. Isso pra mim não é perfeição, nem trabalho de deus nenhum. Foi o destino, que sabe que o amor não liga pra distâncias, nem pras pessoas que vão discordar, ou qualquer outro impecílio. Foi o destino que desde o início me fez olhar pra ele com um olhar diferente, e mesmo sem saber que algumas semanas depois nos tornaríamos namorados, me fazia contar a horas pra ver você online, e ficar realmente entediada quando você não entrava. E devo até dizer que o destino foi meu amigo, colocando no meu caminho uma pessoa tão perfeita, como eu sempre quis, de uma forma tão diferente [tão diferente quando nós dois] e nem tão longe assim né? Se eu tivesse que colocar meu amor por você nesses 375 km, não daria nem pro começo. E o que são 375 km perto do infinito do nosso amor?





domingo, 14 de novembro de 2010

GANHAMOS! *O*





Banda Crianças Insanas, vencedora do 1º Festival de Rock do CETAP.




Comemoração regada a chocolate, milkshake [literalmente regada, né Matheus?! rs], churrasco, minipizza, e System no carro.
Foi bom, muito bom \o/

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Me dá uma dor no coração

Te ver assim, preocupado, saturado, estressado, e eu não poder fazer nada. Posso ver nos seus olhos o cansaço, e não posso te deitar no meu colo e dizer que enfim você pode ficar tranquilo, e esquecer o resto do mundo, porque eu vou estar ali, pro que você precisar.
Me preocupa saber que você pode se senti culpado por qualquer atraso de planos, ou coisa parecida. Mais nada vai nos impedir de viver nosso sonho. Se os outros não intendem que pressão psicológica não vai ajudar em nada, e pode acabar atrapalhando, nós só podemos desconsiderar qualquer coisa que não ajude.
E se isso ajudar, eu quero que você saiba que eu te amo, e que nada vai mudar todo esse sentimento inexplicável que eu sinto.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Falta de tempo

Eu fiquei séculos e séculos sem ABSOLUTAMENTE NADA pra ocupar meu tempo. E agora, não tenho tempo pra fazer tudo que devia.






É difícil ser uma garota ocupada (H)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

E resumindo foi assim...

Meu coração quase parou, de tão rápido que ela vinha batendo nas últimas horas. Nada tirava minha atenção daquela estrada, que de tantos ônibus, nenhum era o seu. Mas, quando eu achei que já não tinha nem mais forças pra levantar, de tanto nervosismo, lá vem ele. E a porta abre, e não é você quem desce. Só depois de uns segundos (que pra mim foram horas) é que eu vejo você. Nada paga a imagem de te ver, com um sorriso no rosto, descendo daquele ônibus e vindo na minha direção.

Seu beijo? Inexplicável. Eu não conseguia me soltar de você. Pela primeira vez na vida eu me senti segura, amada, desejada. Cada segundo com você, apagou cada momento ruim da minha vida, em que eu desejei não viver mais.


Mas, o dia chegou. E eu já acordei com vontade de te acordar correndo, colocar umas roupas na sua mala e ir embora. Pra longe, muito longe. Qualquer lugar que não pudessem nos dizer a hora da despedida, a hora de voltar a vida. E apesar de não querer, eu não tive outra escolha, e tive que deixar você ir, pra longe de mim.
Te ver subindo naquele ônibus, foi a pior dor que já senti na vida. Parecia imagem de novela: A mocinha apaixonada, chorando rios ao ver seu amado partindo, pra voltar sabe-se lá quando.
Por alguns minutos, eu senti que uma janela de vidro me fazia sofrer muito mais do que 375 km de distância. E eu nunca desejei tanto mal pra alguém, como desejei pro motorista daquele ônibus. Eu poderia ver o mundo explodir, desde que meu amor ficasse aqui, um pouco mais, pra me dizer que tudo não passou de um pesadelo e que já tinha acabado. Mas não. O ônibus partiu, e eu vi sua imagem ficar distante, uma distância que eu não sabia se poderia aguentar, de novo. Mas foi perfeito, foi muito mais do que eu esperava e imaginava.




E agora eu estou em queda livre, de um abismo sem fim. E só você pode me salvar, sabe-se lá quando, mas eu vou estar aqui, caindo em sua direção. Mas, não se preocupe, cuide do nosso futuro, que eu cuido de não cair em outro lugar, que não seja seu colo.





Eu te amo, com todas as minhas forças.

sábado, 30 de outubro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Sem mais.

Acho que vou enlouquecer!












*tem um ataque*

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Mais um dia...

Tão longo quanto uma semana.
O tempo não passa, se arrasta.












                                                3 dias

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

eu..

estou tentando manter a calma, mas...


*respira*








*silêncio*












Explicando: Essa técnica de respirar e simplesmente não dizer o que eu tanto quero, me ajudou por um tempo a não explodir, não dizer o que eu tinha tentando esconder por tanto tempo... Mas hoje, só atrapalha. Porquê quando eu tenho que falar, quando eu tenho que explicar, e sim, agora eu consigo e posso fazer isso, eu não consigo. Eu me calo involuntáriamente e minha cabeça pára de funcionar, se recusando a me deixar formular uma frase se quer que defina um estado de espírito. E hoje eu sei bem, que isso em muito a ver com umas escolhas e promessas que eu fiz a um tempo. Mas enfim, eu estou pagando por uma escolha minha, e.. quem sabe ainda tem volta?





                                                     

                                         5 dias

sábado, 23 de outubro de 2010

Agora eu sei,

que durante todo aquele tempo que eu andei por um caminho escuro e doloroso, eu estava procurando a luz do seus olhos, pra me salvar e me fazer a pessoa mais feliz desse mundo.















sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Olá Mãe!

Mãe, eu queria te dizer
(não te chamando de mamãe como no tempo
em que a vida era você, mas te chamando de mãe,
deste meu outro tempo de silêncio e solidão)

Mãe, eu queria te dizer
(sem cara de quem pede desculpa pelo que não fez
ou pensa que fez)
que o amor virou uma coisa difícil
e muitas vezes o que parece ingratidão,
ou até indiferença,
é apenas a semente do amor
que brotou diferente
e amadureceu diferente,
no atrapalhando coração de gente.

Acho que era isso, mãe,
o que eu queria te dizer.

                                                                                                                                          Carlos Q. Telles








8 dias

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Não tem mais com esconder.

Minha vida está um tormento! Não tenho mais paz! Eu não durmo direito, não como direito, não estudo direito. Minha cabeça está a mil. A cada batida do meu coração, é como se eu estivesse morrendo por dentro. Morrendo de angústia, morrendo com este nó na garganta. Apesar de não saber bem o que eu sinto, devido a intensidade, eu sinto que preciso desistir de qualquer outra coisa que já passou pela minha cabeça um dia, e me dedicar a isso, inteiramente, de corpo e alma. E vou fazer o que for preciso pra ir atrás do que eu realmente quero, do que realmente vai me fazer feliz.
















Matheus, vem logo. Por que essa vontade de você está me corroendo cada dia mais. E eu não sei quanto tempo mais vou aguentar longe de ti.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pagando pelas falhas

Foi esse o motivo do meu sumiço. E sobre ele eu não tenho grandes coisas a falar a não ser...
















PUTA QUE O PARIU! Que saudade, Que saudade!!!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

"Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
O que esta ausência tua me causou
Eu sei que vou sofrer a eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida."


sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O que os olhos não vêem, o coração sente.

Ah, seu perfume! Me fez delirar por horas, sonhar contigo, mais uma vez. Me vez ver o quanto é real e possível, e que nada no mundo pode nos separar. Suas palavras me fazem levitar. Te imaginar me dizendo aquelas coisas, me dá um arrepio do dedão do pé até a nuca. Os meus dias nunca tiveram tão poucas horas, mas são as melhores horas da minha vida, até agora. Por que sei que horas muito melhores ainda estão por vir. Te ver, mesmo que não como eu quero, te ouvir, e agora, sentir o seu perfume, faz com que minha alma saia do meu corpo, e percorra quilômetros de distância, pra te vigiar. Eu quase posso te tocar.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Eu quero o vermelho da tua revolução!

"Mexo, remexo na inquisição. Só quem já morreu na fogueira sabe o que é ser carvão. Eu sou pau pra toda obra. Deus dá asas a minha cobra. Minha força não é bruta. Não sou freira, nem sou puta. Nem toda feiticeira é corcunda. Nem toda brasileira é bunda. Meu peito não é de silicone. Sou mais macho que muito homem. Sou a rainha do meu tanque. Sou Pagu indignada no palanque. Fama de porra-louca, tudo bem! Minha mãe é Maria Ninguém. Não sou atriz-modelo-dançarina. Meu buraco é mais em cima.[...]"



E nesse momento eu olho pra fora da janela, o ônibus já está a um quarteirão do meu ponto. A "viagem" da escola pra casa nunca tinha sido tão rápida, e isso eu devo a Pagú, a diva comunista. E mais uma vez, eu me vi de frente pro presente, e quem sabe o futuro que eu queria, mas não consigo ter. E.. se tem uma coisa que eu não sou, é orgulhosa. Ou melhor, sou sim, e muito! Mas não quando eu preciso. E hoje eu preciso de ajuda, e vou correr atrás até conseguir.







eu quero esse vermelho pra mim.

sábado, 18 de setembro de 2010

Pare de se fazer de idiota

O mundo não gira, nem nunca vai girar ao seu redor. Não tente bancar o coitadinho, parece que ninguém aqui além de mim está preocupado com isso. Será que você não percebe o papel ridículo que está fazendo? Será que não vê, que fugir assim não vai adiantar nada, e que uma hora você vai ter que me encarar? Por quê você acha que eu estou correndo atrás? Cadê aquele cara que sempre tinha razão, e não tinha medo de encarar a realidade? Eu não preciso esfregar isso na sua cara, pra que você saiba o quão decepcionada eu estou. Mas essa foi a única forma que eu encontrei.




Pronto, falei.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Cabeça vazia. Dia cheio.

Eu queria tanto saber escrever sobre todas as aflições do mundo. Eu queria tanto poder listas sentimento por sentimento, ação por ação. Saber dizer ao certo, o porquê das coisas. Saber dizer por exemplo, porque é em certos momentos, em que eu devia falar o que quero, o que penso e ser espontânea como sempre, eu me calo. Eu simplesmente aceito as condições sem abrir a boca, mesmo que me desagrade. Eu queria saber, porque é que em certos momentos, ou na maioria deles, eu me sinto sozinha, como se o mundo a minha volta não existisse, e a única pessoa que pode me tirar desta solidão, não está tão perto quanto eu queria. Querer nunca levou ninguém a lugar algum, agora eu preciso agir.




"Nothing that’s worthwhile is ever easy. Remember that." Nicholas Sparks

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

E durante a aula de História...




Eu sei, não se deve escrever nas carteiras. Mas.. eu nunca fui de seguir regras.

Quase um vampiro.


Hoje, mais do que nos outros dias, a luz do sol me incomodou muito. E eu cheguei a conclusão óbvia que eu não sou um ser do dia, da claridade, e talvez nem da transparência, em certos aspectos. Eu gosto e sempre gostei de lugares menores, abafados, iluminação baixa. Dá um certo mistério a qualquer coisa. Um lugar mal iluminado, te faz imaginar inúmeras possibilidades. Te faz sentir um misto de medo e curiosidade. A claridade te mostra tudo, ela é nua e crua. Claridade está diretamente ligada com calor, e tá aí outra coisa que eu não suporto. Agora imagine, um quarto com pouca iluminação, um frio agradável, uma lareira, um filme, um cobertor e seu amor. Perfeito, não? Agora imagine tudo isso, com o sol na sua cara e um calor de 40º.  Acabou o encanto, acabou o clima. A escuridão te faz procurar uma luz pra seguir. A claridade te cega e te faz cair.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

"O pior cego, é aquele que não quer ver."


Doce Ilusão. É claro que as coisas não seriam tão fáceis como eu imaginava. É duro ter um problema, precisar da ajuda dos outros, e quem sempre disse que estaria lá, pra tudo, nunca está. Nada vai se resolver, nada vai caminhar, enquanto eu não tiver a compreensão de quem ainda "cuida" de mim. Mas o que está em jogo é o meu futuro, e este já está traçado, e com ele eu não brinco mais. De agora em diante, eu só vou contar com minha própria ajuda!




Agora, nada de "Antigo". Ou não!

As horas do meu dia nunca foram tão entediantes. O mundo sem você aqui, não passa de um parque de diversões desligado. As pessoas, os lugares, nada mais tem graça. Não existe mais paisagem bela, que não seja seus olhos e seu sorriso envergonhado. As palavras acabam, assim que o "Eu Te Amo" já foi dito. Inexplicávelmente, Infinitamente, Eternamente, ENLOUQUECIDAMENTE, são adjetivos que não demonstram nem um terço do meu real sentimento por você. Nossos destinos nos cruzaram, e sem perceber, traçamos um futuro perfeito em todos os seus defeitos. Foi VOCÊ quem me fez Fênix, a ave que renasceu das cinzas, pra viver contigo o infinito do nosso amor.



Matheus, Eu Te Amo ♥

Antigo, e real.


A noite cai. Pra mim, um alívio! Mas ela parece mais vazia que o normal. Os dias se arrastam, as horas são angustiantes. Uma noite bem dormida, já parece um sonho quase irreal. As condições são desanimadoras. O futuro, desafiador. E a coragem? Pouca. Quase nenhuma. Eu chego a sentir, os últimos raios de energia, escorrendo pelas lágrimas ardidas, que já não precisam de um motivo pra tranformar minhas frases em borrões, mal escritos. Sou eu, a que você desconhece. A que acha que não faz porque não quer. A que só precisa de um motivo pra viver. Ou o contrário.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Enfim, a Rosa.

A rosa não morreu
Ela sempre vai estar tão viva
Quanto no dia que desabrochou.
O perfume continuará guardado.
O poder da cor
Não morrerá nunca.

A rosa "enfeitiçada"
Que demorou pra perder vitalidade
Os dias passaram
E ela continuou bonita, vermelha.

Hoje não passa da realidade.
A rosa sofreu, a carcaça apodreceu.
Mas dentro, o espírito está cada vez mais vivo.
Mais renovado, esperançoso talvez.

A rosa vai marcar.
A rosa de personalidade forte.
Que não se deixou abater pelas semanas.
A rosa já não tão bonita quanto antes...
Mas há quem goste.

A rosa que guarda no segredo da alma,
O perfume de uma tarde de sexta feira.

Antigos, ou nem tanto.

Obs: No início, vou postar alguns poemas antigos, que eu já havia feito a um tempo, quase todos com o mesmo "assunto".


Esse poema eu fiz, pra um amigo que eu já não acredito que exista mais, e que foi substituido por um outro cara que eu realmente não conheço. Mas eu espero que esse meu amigo volte, e mereça esse poema, e todos os outros.


Sem rimas, e fora de hora

Um sentimento
Uma música
e quatro paredes
As mesmas quatro paredes
de todos os dias

A música diz muito
quase tudo, eu acho.
Mas deixa subentendido.
Mal explicado.
Não mostra a necessidade real.

Talvez fogo de palha
Mas nos parecemos tanto
Talvez você entenda,
Que o que eu preciso agora
É só de um amigo.

Estou errada em querer cuidar de você?
Em querer você por perto?
Lhe pareço idiota por sentir falta das "brigas"?

Eu só queria dizer
Que é tão bom conversar com você.
E que talvez, não seja a hora de parar!

O Começo

Após um bom tempo escrevendo e fazendo de tudo para que ninguém chegasse perto, cá estou eu, mostrando pra quem quiser ver! Agora, quem tiver paciência pra visitar o blog vai ser obrigado a ler poemas, textos, desabafos, e tudo mais que eu tiver pra falar, por que afinal de contas.. "Calada, não mais!"